• Eduarda Francisco Pires

Pampas: os Campos do Sul

Atualizado: 25 de out. de 2021

Também chamado de Campos do Sul é uma região localizada no Rio Grande do Sul, que abrange também o Uruguai, Paraguai e Argentina. Esse bioma ocupa cerca de 2% do território do nosso país.

O termo "Pampa" é de origem indígena (povos quíchuas), seu significado remete a "região plana".

 


Vegetação e Flora


O Pampa apresenta uma vegetação formada em sua maioria por plantas herbáceas, rasteiras e gramíneas, porém, árvores e pequenos arbustos podem ser encontrados nesse bioma. Além disso, possui campos naturais com a presença, em algumas regiões, de relevos acidentados. Entre as espécies de plantas, temos:

  • Ouro-pardo;

  • Cedro;

  • Guajuvira;

  • Brabas-de-bode;

  • Unha-de-gato;

  • Algarrobo;

  • Grama-tapete;

  • Capim-forquilha.

Imagem 2: Estação Ecológica do Taim


Fauna


Sua fauna é composta por espécies diversificadas, com a presença de aves, répteis, mamíferos, artrópodes e anfíbios. Podemos encontrar:

  1. Aves: joão-de-barro e quero-quero;

  2. Mamíferos: veado-campeiro, furões e tuco-tucos;

  3. Anfíbios: sapinho-de-barriga-vermelha;

Imagem 1: Ave joão-de-barro.


Clima


O seu clima é caracterizado como subtropical frio, apresenta estações bem definidas, com invernos que podem chegar a 19°C e verões aos 35°C. Além disso, suas chuvas são bem concentradas, com geadas e episódios de neve.


Hidrografia


A hidrografia do Pampa é constituída pelos rios:

  • Bacia do Uruguai;

  • Bacia Secundária do Sudeste-Sul.

Imagem 3: Rio Uruguai.


Desmatamento


O Pampa é um bioma que apresenta um solo geralmente fértil, atraindo a exploração humana para atividades agrícolas, com destaque para terras roxas. Por conta disso, se torna um ambiente ameaçado que necessita de proteção, pois essa degradação tem levados muito animais a risco de extinção. Além das práticas agrícolas, o ambiente tem sofrido com tráfico ilegal de animais silvestres, pondo em risco a biodiversidade do Pampa. Dessa forma, animais como a onça-pintada, tamanduá, jaguatirica, sapinho-de-barriga-vermelha, entre outros, podem deixar de existir em alguns anos.


Baseado nos dados do IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), apenas 41,32% da vegetação nativa dos pampas ainda existia em 2002, porcentagem que diminui em 2008, chegando a 36,03%.

Imagem 4: Jaguatirica.



De acordo com o MapBiomas Alerta, o desmatamento no Brasil cresceu 13,6% em 2020, mostrando que Brasil está colocando em risco grande parte da sua biodiversidade, através das atividades de exploração desenfreadas.


Vale ressaltar, que só uma pequena parte do Pampa vem sendo protegido, apenas 453 km² estão em proteção pelas Unidades de Conservação de Proteção Integral, compondo 0,5% de toda a sua extensão.

 

Gostou do artigo? Compartilha com os amigos e acompanhe a gente se inscrevendo no nosso blog através do botão"Login/Registre-se".



Fontes:

Biologianet.com. Acesso em 07 de outubro de 2021.

Significados.com.br. Acesso em 07 de outubro de 2021.

Embrapa.br. Acesso em 07 de outubro de 2021.

Beduka.com. Acesso em 09 de outubro de 2021.

Treinamento24.com. Acesso em 09 de outubro de 2021.

Sul21.com.br. Acesso em 09 de outubro de 2021.











38 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo